Usamos cookies neste site para melhorar a sua experiência enquanto utilizador.

Ao continuar a navegar no nosso site está a consentir a sua utilização.

Portugal

Combiotico

 

1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO
COMBIÓTICO Suspensão injetável

2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA
Cada ml contém:
Substância(s) ativa(s):
Dihidroestreptomicina (sob a forma de sulfato) 250 mg
Penicilina G procaína 200 000 UI
Excipientes:
Butil-parabeno 0,15 mg
Formaldeído sulfoxilato de sódio 3,7 mg
Para a lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3. FORMA FARMACÊUTICA
Suspensão injetável.

4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 Espécie(s)-alvo
Bovinos, Suínos, Ovinos, Equinos, Coelhos, Cães e Gatos.

4.2 Indicações de utilização, especificando as espécies-alvo
Tratamento de infeções bacterianas mistas, tais como artrites, abcessos, endocardites, faringites, otite média, sinusites, pneumonias, laringo-traqueítes, mal rubro, meningite, infeções das vias urinárias, tétano, gangrena gasosa, septicemia, feridas infetadas, mamite, metrite, leptospirose e actinomicose.

4.3 Contraindicações
Não administrar a animais sensíveis à penicilina, à procaína ou à dihidroestreptomicina, a fim de evitar qualquer reação anafilática.
Não administrar a animais com insuficiência renal ou com obstrução à livre eliminação da urina, pois a dihidroestreptomicina é, em grande parte, eliminada pelo rim.

4.4 Advertências especiais para cada espécie-alvo
Não existem.

4.5 Precauções especiais de utilização
Precauções especiais para utilização em animais
Agitar o frasco antes de usar, a fim de manter uma perfeita homogeneidade do produto.
Utilizar agulhas e seringas perfeitamente esterilizadas. Desinfetar cuidadosamente o local da injeção.
Antes da injeção, verificar se a agulha não terá penetrado num vaso sanguíneo, pois o medicamento veterinário não poderá, em caso algum, ser administrado por via intravenosa.

Também não pode ser injetado por via subcutânea, nem junto de um grande nervo.

Se for necessário repetir as injeções, deverão alternar-se os locais de injeção em cada administração.

Precauções especiais que devem ser tomadas pela pessoa que administra o medicamento aos animais
Em caso de autoinjeção acidental, dirija-se imediatamente a um médico e mostre-lhe o folheto informativo ou o rótulo.

4.6 Reações adversas (frequência e gravidade)
Possíveis reações adversas após a administração do medicamento veterinário provêm de fenómenos de sensibilização.
Trata-se de idiossincrasia de previsão impossível. Estas reações traduzem-se geralmente por perturbações gastrointestinais ou cutâneas: vermelhidão; eritema vesiculo-papuloso e pruriginoso e, muito raramente, por reações gerais do tipo anafilático.
Essas reações de hipersensibilidade poderão ser detetadas por testes de sensibilização cutânea (intradermo e cuti-reações).
Quando ocorrerem reações alérgicas ou anafiláticas, deverá interromper-se o tratamento em curso e administrar imediatamente epinefrina e anti-histamínicos.

4.7 Utilização durante a gestação, a lactação e a postura de ovos
Quando se administrar o medicamento veterinário em animais em lactação, não injetar diariamente mais do que a dose correspondente a 5,5 mg de dihidroestreptomicina por kg de peso vivo. Se esta dose for excedida devem ser efetuadas análises ao leite para eventual deteção de resíduos.

4.8 Interações medicamentosas e outras formas de interação
Desconhecidas.

4.9 Posologia e via de administração
Para um tratamento geral, a administração por via intramuscular profunda é a única recomendada. No caso de metrite pode recomendar-se a instilação intra-uterina, mas sempre após diluição em água esterilizada, de modo a obter um volume suficiente.
A dose diária recomendada é a que se indica no quadro, devendo ser adaptada a cada caso clínico e a cada espécie.
Sempre que o médico veterinário julgue conveniente a dose diária poderá ser repartida em intervalos de 8 a 12 horas.
O tratamento deverá sempre continuar durante 1 a 2 dias depois do desaparecimento dos sintomas.

Espécie animal

 

Peso (kg)

Dose (ml)

Bovinos

 

 

 

 

Até 50

50 a 150

150 a 300

300 ou mais

2

2 a 6

6 a 10

10 a 15

 

Espécie animal

 

Peso (kg)

Dose (ml)

Suínos

 

 

 

 

 

 

3 a 5

5 a 10

10 a 20

20 a 50

50 a 90

90 ou mais

0,25 a 0,5

0,5 a 1

1 a 2

2 a 4

4 a 6

6 a 10

Ovinos e Caprinos

 

 

 

 

3 a 5

5 a 10

10 a 20

20 ou mais

0,25 a 0,5

0,5 a 1

1 a 2

2 a 6

Equinos

 

 

 

Até 135

135 a 275

275 ou mais

4 a 8

8 a 10

10 a 15

Pequenos animais

(Coelhos, Cães, Gatos)

 

 

 

 

 

 

 

1,5 a 2,5

2,5 a 5

5 a 7

7 a 10

10 a 12

12 a 22,5

22,5 a 35

35 ou mais

0,125 a 0,25

0,25 a 0,5

0,5 a 0,75

0,75 a 1

1 a 1,25

1,25 a 2

2 a 3

3 a 4

Quando utilizado de forma adequada no tratamento de doenças causadas por microrganismos sensíveis a esta associação, os animais doentes evidenciarão acentuadas melhoras dentro das 48 horas que se seguem. Quando isto não acontecer, o diagnóstico deverá ser revisto e estabelecido tratamento adequado.

4.10 Sobredosagem (sintomas, procedimentos de emergência, antídotos), (se necessário)
Não observados.

4.11 Intervalo(s) de segurança
Carne e vísceras: 30 dias.
Leite: 96 horas (8 ordenhas).

5. PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS
Grupo farmacoterapêutico: Antimicrobianos, Código ATCvet: QJ01RA01

6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1 Lista de excipientes
Butil-parabeno
Formaldeído sulfoxilato de sódio

6.2 Incompatibilidades

Desconhecidas.

6.3 Prazo de validade
24 meses.

6.4 Precauções especiais de conservação
Conservar a temperatura inferior a 15ºC.
Conservar em local seco.

6.5 Natureza e composição do acondicionamento primário
Frasco de 100 ml, siliconados com rolha perfurável.

6.6 Precauções especiais para a eliminação de medicamentos veterinários não utilizados ou de desperdícios derivados da utilização desses medicamentos
O medicamento veterinário não utilizado ou os seus desperdícios devem ser eliminados de acordo com os requisitos nacionais.

7. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO
Laboratórios Pfizer, Lda.
Lagoas Park – Edifício 10
2740-271 Porto Salvo

8. NÚMERO(S) DE REGISTO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO
1734 no INFARMED

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO
18/05/1967

10. DATA DA REVISÃO DO TEXTO
Maio 2010