Usamos cookies neste site para melhorar a sua experiência enquanto utilizador.

Ao continuar a navegar no nosso site está a consentir a sua utilização.

Portugal

Enterotoxémias

 

Etiologia & Epidemiologia

A doença do rim polposo é provocada pela toxina da bactéria Cl. perfringens tipo D, quando aquela é absorvida pelo intestino. A doença desenvolve-se quando o ambiente intestinal é favorável ao crescimento bacteriano e a quantidade de bactérias aumenta drasticamente.

A toxina produzida provoca enterocolite (inflamação do intestino), aumentando a permeabilidade dos vasos sanguíneos, que mais facilmente absorvem a toxina. Esta circula na corrente sanguínea provocando edema dos pulmões e dos rins, o que levou ao nome “rim polposo”. Esta situação pode ser provocada por um aumento na ingestão de alimento de mais elevado valor nutricional, como melhores pastagens, introdução de alimentação rica em gramíneas ou outras alterações bruscas no regime alimentar.

Os animais jovens são os mais susceptíveis. Apesar dos animais adultos também serem sensíveis à doença do rim polposo, desenvolvem imunidade devido à exposição frequente a esta toxina. 

Sintomas

Os animais com doença do rim polposo são muitas vezes encontrados já mortos, sem terem exibido sinais clínicos. A doença tem uma progressão rápida e geralmente atinge os melhores animais do rebanho.  Quando se observam sinais clínicos, estes podem ser facilmente confundidos com outras doenças de evolução grave. Os borregos afectados ficam deprimidos, podem ranger os dentes, contorcer-se ou ter convulsões. É comum manifestarem sinais de dor abdominal. 

Tratamento

O tratamento dos animais afectados geralmente não é viável. Pode tentar-se a administração de antitoxinas (quando estão disponíveis), quer oralmente quer por via sistémica ou antibióticos tais como penicilinas. Estes medicamentos podem ajudar se surgirem outras doenças associadas, mas o melhor método de controlo é a prevenção. 

Prevenção

A prevenção passa por um maneio cuidadoso da alimentação dos animais, evitando alterações súbitas na dieta e regimes ricos em gramíneas e mal balanceados. Deve haver uma transição gradual durante 2 a 3 semanas quando se passa para um regime com maior proporção de concentrado. Alimentar os animais com intervalos regulares, com ração adequadamente misturada e com espaço suficiente na manjedoura são métodos que irão ajudar a prevenir as enterotoxémias e a doença do rim polposo em particular.

Um correcto maneio da dieta juntamente com um bom programa de vacinação constituem a prevenção mais eficaz.

Contacto

Lagoas Park
Edificio 10
2740-271, Porto Salvo
Tel: 21 0427200