Usamos cookies neste site para melhorar a sua experiência enquanto utilizador.

Ao continuar a navegar no nosso site está a consentir a sua utilização.

Portugal

Diarreia Viral Bovina (BVD)

Diarreia Viral Bovina (BVD)

Resumo

 

A diarreia viral bovina (BVD) é uma infecção dos bovinos causada por um pestivirus. Provoca vários quadros, desde sub-clínicos a agudos, incluindo aborto, infertilidade e imunossupressão. O vírus causa ainda a “doença das mucosas”, clinicamente dramática e com desfecho fatal.

Etiologia

A diarreia viral bovina (BVD) é provocada por um pestivirus da família Flaviviridae, semelhante ao vírus da peste suína clássica e da Border Disease (ovinos). O vírus tem várias estirpes que podem ser classificadas em dois grupos, tipo 1 e tipo 2. Ambos podem desencadear doença aguda de gravidade variável.

  • Os pestivirus têm a capacidade de provocar uma infecção persistente durante a gestação, que geralmente passa despercebida.
  • Além disso, os biótipos citopatogénicos (cp) e não citopatogénicos (ncp) são reconhecidos com base nos efeitos do vírus nas células, podendo as estirpes sofrer mutações de biotipo ncp para cp. O vírus da BVD demonstra um elevado grau de variabilidade genética, podendo ocorrer recombinação entre as estirpes.  

Sintomas

A doença pode dar origem a sintomas comuns (febre, perda de apetite, inapetência) e pode afectar o sistema imunitário, respiratório, reprodutivo e digestivo.

  • Ulceração da boca e tracto digestivo. Pode ocorrer diarreia, por vezes hemorrágica;
  • Imunosupressão. Muitas vezes subjacente a outras doenças digestivas ou respiratórias, sobretudo em vitelos;
  • Redução da performance reprodutiva
  • O vírus da BVD tem a capacidade de atravessar a placenta e infectar o feto, provocando perdas embrionárias, abortos e nados-mortos. Esta capacidade para atravessar a placenta também faz com que alguns animais nasçam com infecção persistente (PI). Estes animais PIs são a principal fonte do vírus porque o excretam continuamente. Estes animais podem, durante a vida, desenvolver um quadro clínico grave “doença das mucosas” que é normalmente fatal.

Diagnóstico

O diagnóstico pode ser feito com base nos sinais clínicos e no conhecimento da doença na exploração e na zona, mas se houver suspeita clínica, esta pode ser confirmada por testes laboratoriais.

Tratamento

O tratamento sintomático é muitas vezes pouco eficaz.

Prevenção

As estratégias mais importantes para reduzir ou eliminar a BVD incluem a vacinação, a testagem laboratorial e as medidas de biossegurança.

O principal objectivo da vacinação de animais reprodutores com uma vacina de BVDV é prevenir o nascimento de vitelos com infecção persistente (PI), porque estes constituem uma ameaça para os restantes animais da exploração.

O vírus da BVD também está incluído nas vacinas respiratórias, porque a BVD contribui para o complexo da doença respiratória bovina. 

Impacto Económico

A infecção com o vírus da BVD tem uma distribuição mundial, provocando perdas económicas que geralmente são subestimadas, uma vez que muitas vezes não são facilmente atribuíveis ao vírus.

  • Os animais com infecção persistente (PI) são uma fonte de perda económica por si só. Estes animais geralmente não atingem o seu potencial genético, apresentando piores ganhos de pesos, susceptibilidade a doenças aumentada e fertilidade reduzida. Os PIs disseminam o vírus, podendo provocar perdas reprodutivas ou respiratórias nos restantes animais da exploração.
  • As infecções com o vírus da BVD podem levar a subfertilidade devido a um aumento do risco de morte embrionária e fetal, com consequente diminuição das taxas de concepção e gestação. 

Contacto

Lagoas Park
Edificio 10
2740-271, Porto Salvo
Tel: 21 0427200